Educadores de Infância
1.º Ciclo
Português
Inglês
Francês
Matemática
Ciências Físico-Químicas
Biologia / Geologia
Ciências Económico-Sociais
Informática
História
Psicologia
Filosofia
Geografia
Educação Visual e Tecnológica
Educação Física
Ciência Política
Contactos

Netprof
Rua da Restauração, 365
4099-023 Porto

E-mail: assistente@netprof.pt
Ler, Ver, Fazer e Lazer | Ler
Vale a pena ler

A Menina do Mar não morreu.
Homenagem a Sophia

Apesar de esperada desde há algum tempo, a morte de Sophia de Mello Breyner Andresen apanhou-nos de surpresa. Recolhemos alguns textos de Sophia e sobre Sophia entretanto publicados. Sabemos que são muitas as experiências que nas nossas escolas se têm desenvolvido em torno da obra da escritora. Envie-nos relatos de actividades que promoveu ou em que participou. Fale-nos da reacção dos seus alunos e o modo como vivenciou essas experiências pedagógicas.

Envie-nos o seu poema preferido, uma recordação associada a um dos seus livros ... porque os poetas não morrem.

Sophia: O Poema a Levará no Tempo

Selecção de poemas de Sophia

Uma Vida Vertical

Prémios e Homenagens

A Morte de Sophia

Uma Criança Não É Um Pateta

A Força das Palavras na Defesa da Revolução

Adeus Sophia

Sophia

Conversa com Sophia

Confissão para Sophia

Sei agora mais algumas coisas de ti

Sai agora teu funeral à rua

Visionária do Visível

A respiração azul das coisas

Paradiso, Um Pouco

A Benção de Sophia

O Jardim de Sophia

Lugar do desejo inextinguível

Para Que Exista Cidade

Um Retrato de Sophia

Cíclades

Inéditos de Sophia

Tocada Pelas Palavras

Poema de Julho na Morte de Sophia

Sophia Hoje

Sophia substantiva

Sophia: Escrever a Fala do Poema

Sophia: A afirmação silabada

Alba em Memória de Sophia

O Catecismo de Sophia

O Real de Sophia, o Real da Poesia

Elogio da Usina

Dedicatória da Segunda Edição do "Cristo Cigano" a João Cabral de Melo Neto

O NOME DO POETA

Sem Título

Poemas Inéditos

Comunhão

Paradoxo

"O Fio de Linho da Palavra"

Viva a Rainha

Dois quase poemas para Sophia

Luz Cor de Amora

Juro

E Ela Dança

Hildegarda de Bingen para Sophia

Clara, Clara, Clara

Sophia: Memória - 2 De Julho de 2004

Cronologia


 
 
Este livro encontra-se disponível para aquisição na Webboom.pt

 
 
 
Comentários
Adeus, Sophia! (2004-12-14 00:19:41.0)
A Sophia desapareceu, mas a sua produção literária permanecerá e continuará a enriquecer a nossa literatura. Obrigada Sophia por teres existido.
SAndra Catanho
Funchal

A Ternura Imortalizada (2004-08-24 20:05:21.0)
Quem sou eu para falar e duma extrema doçura de personalidade, mas em poucas palavras quero deixar registado o agredecimento a quem foi e sempre será a "Rainha" da literatura. é através dos seus imaculados livros, que eu, professora de 1º ciclo, tento transmitir aos mues alunos o amor, a gratidão, carinho, partilha e coração pelo mundo e pelos outros. Sophia, não desapareceu, nunca vai desaparecer, porque algo tão belo nunca poderá desaparecer. O seu encanto é imortal, as suas palavras eternas, espero que um dia venha a ver a vida como Sophia o pretendia transmitir. O seu conhecimento é transmitido aos alunos de uma forma tão carinhosa que se verifica nestes a vontade de ler e de escrever o que Sopfia nos deixou. Desde já quero deixar as minhas saudações e eternas saudades: a prof. Carla Carvalho.
Carla Maria Cardoso Carvalho
Sever- Moimenta da Beira

Sophia viverá sempre nos nossos corações... (2004-07-20 22:20:20.0)
Como professora de Língua Portuguesa,já há 23 anos que dou a conhecer aos meus alunos as belas histórias de Sophia, nomeadamente "A noite de Natal", "A menina do Mar", "A fada Oriana", entre outras... Imaginou-as para as contar aos filhos, quando estes eram pequenos, também a minha filha as leu quando era criança e hoje, já universitária, recorda com carinho as personagens tão marcantes que Sophia escolheu e trabalhou com tanto carinho e que todas as crianças encantam... e não só porque eu como professora , todos os anos , me agrada ler estas histórias escritas com tanta paixão para os filhos e logicamente para todas as crianças de ontem, de hoje, de sempre... Sophia será eterna através das suas palavras... Até sempre Sophia...
Rosa Maria Morais P. Fernandes
Rio Tinto

sophia (2004-07-20 20:32:17.0)
não é todos os dias, que se encontram escritoras com o prestígio de sophia, e quem lê as suas obras magníficas, entra num mundo de magia, no qual nos esqueçemos de como é ser adulto, e voltamos a ser crianças.
vanessa oliveira
serra das minas

Sophia em todos os cantos do mundo (2004-07-19 15:25:35.0)
Partilho convosco um dos mais belos poemas da autora: De todos os cantos do mundo Amo com um amor mais forte e mais profundo Aquela praia extasiada e nua, Onde me uni ao mar, ao vento e à lua Cheiro a terra as árvores e o vento Que a Primavera enche de perfumes Mas neles só quero e só procuro A selvagem exalação das ondas Subindo para os astros como um grito puro
Margarida Santos Costa
Abrantes

A menina do mar (2004-07-17 00:23:41.0)
Sophia,como outros escritores, é imortal. A maneira como se entregou à sua obra e aos outros,como sentia e transmitia,como nos levava através dos seus livros ao imaginário, fez dela um ser superior,dotada de um espírito aberto e crítico, não deixou de contemplar a mudança de regime que aconteceu no nosso país e que ocupou um lugar de relevo nos seus poemas. O mar foi também para ela fonte de inspiração,qualificando-o de misterioso liberto,fascinante. Através dos seus poemas,leva a companhia aos que se sentem mais sós,a paz ,a tranquilidade. Eu, professora do 1º ciclo,utilizei os seus livros como animação de leitura, como complemento na disciplina de estudo do meio. As histórias que li cativaram a atenção dos meus educandos desde início. Para cada criança o mar está envolto de encanto, magia, mistério. Obrigado Sophia....
Julieta do Rosário Nunes Santos Pequeno
Cabeção

A menina do mar (2004-07-17 00:23:40.0)
Sophia,como outros escritores, é imortal. A maneira como se entregou à sua obra e aos outros,como sentia e transmitia,como nos levava através dos seus livros ao imaginário, fez dela um ser superior,dotada de um espírito aberto e crítico, não deixou de contemplar a mudança de regime que aconteceu no nosso país e que ocupou um lugar de relevo nos seus poemas. O mar foi também para ela fonte de inspiração,qualificando-o de misterioso liberto,fascinante. Através dos seus poemas,leva a companhia aos que se sentem mais sós,a paz ,a tranquilidade. Eu, professora do 1º ciclo,utilizei os seus livros como animação de leitura, como complemento na disciplina de estudo do meio. As histórias que li cativaram a atenção dos meus educandos desde início. Para cada criança o mar está envolto de encanto, magia, mistério. Obrigado Sophia....
Julieta do Rosário Nunes Santos Pequeno
Cabeção

Sophia e o Cavaleiro (2004-07-16 16:18:46.0)
Tinha dez anos quando o meu padrinho me ofereceu, pelo Natal, O Cavaleiro da Dinamarca. Devorei a história! Todas aquelas referências que eu não identificava ainda foram Luzes que se acenderam ao longo da minha escolaridade, quando ouvi falar pela primeira vez de Cimabué, Giotto, Dante, Virgílio ... e tantos outros. Parecia que se me iluminava a alma cada vez que relia a história do Cavaleiro ...e no final, nunca conseguia conter as lágrimas! Ainda hoje, volvidos 30 anos depois da primeira leitura, não consigo. Sempre que trabalho esta obra com os meus alunos, não consigo alhear-me da importância que ela teve na minha vida e é, obviamente, um trabalho emocional a que os «miúdos» também não ficam alheios ... felizmente! Vários professores de Português me trouxeram a prosa de Sophia, o que foi sempre muito agradável, mas descobrir a sua poesia foi a parte mais deslumbrante! Acompanhou-me no ensino secundário e na faculdade, e hoje faz parte dos meus momentos de íntimo lazer e prazer. Sempre que passo de comboio pela Granja, a minha imaginação povoa-se de fragmentos dos seus poemas, ritmados pela cadência das ondas... Como professora de Língua Portuguesa, cabe-me também a missão de não deixar «morrer» a poesia, a língua portuguesa e, muito menos, a inesquecível Sophia.
Elisa Mineiro
Santarém

Sempre, Sophia (2004-07-15 11:46:30.0)
A paixão que tenho pela poesia foi-me dada por Camões e por Sophia. Suponho que isto diz tudo o que a sua morte me trouxe de tristeza e pena e lágrimas nos olhos. A beleza da poesia de Sophia reside, entre mil aspectos lindos, no facto de que, haja o que houver, permanece. Num mundo de fragmentação como este em que vivemos é bom saber que podemos encontrar-nos na substância íntegra e pura das suas palavras. Sempre, Sophia.
Teresa Guerreiro
Elvas

Onde está a luz... (2004-07-14 14:50:58.0)
... é aí que mora a vida perene. Um poeta não morre - ressuscita para a eternidade! O que foi escrito, antes pensado e vivido, merece ser recordado e respeitado. E é nos significados das palavras, amplos de memória, que devemos buscar a alma que, para sempre, há-se existir. A «Menina» estará sempre connosco.
Helder M. C. Ramos
Ovar

Onde está a luz... (2004-07-14 14:50:50.0)
... é aí que mora a vida perene. Um poeta não morre - ressuscita para a eternidade! O que foi escrito, antes pensado e vivido, merece ser recordado e respeitado. E é nos significados das palavras, amplos de memória, que devemos buscar a alma que, para sempre, há-se existir. A «Menina» estará sempre connosco.
Helder M. C. Ramos
Ovar

Adeus Sophia (2004-07-12 00:15:25.0)
Sophia foi uma das grandes escritoras portuguesas. Elevou o nome de portugal por além mar. Lutou por um pais melhor, mas infelizmente chegou o seu fim. No entanto sera sempre recordada pela sua grandiosa obra. A minha vida é o mar o Abril a rua O meu interior é uma atenção voltada para fora o meu viver escuta a frase que de coisa em coisa silabada grava no espaço e no tempo a sua escrita Nao trago deus em mim mas no mundo o procuro Sabendo que o real o mostrará Não tenho explicaçoes olho e confronto E por metodo é nu o meu pensamento A terra o sol o vento o mar Sao a minha biografia e sao meu rosto Por isso nao me peçam cartao de identidade Pois nenhum outro senao o mundo tenho nao me peçam opinioes nem entrevistas nao me perguntem datas nem moradas de tudo quanto vejo me acrescento E a hora da minha morte aflora lentamente Cada dia preparada "Poema" Sophia de Mello Breyner Andresen in Geografia Adeus Sophia, estaras sempre conosco...
Bruno Fernandes
Senhora da Hora

ATÉ SEMPRE (2004-07-09 23:15:58.0)
Todos os Poetas são Maiores. Sophia faz parte desse grupo. Pelo que escreveu, pelo que ensinou e pela sua postura face à cultura e educação será sempre PRESENTE. OBRIGADO SOPHIA.
Carlos de Magalhães Barroso
Alenquer

Para Sophia que nos faz sonhar... (2004-07-09 18:49:05.0)
Conheci Sophia pela mão da minha professora primária, que todas as 6ªs lia um pouco de uma história no final da lição. Para mim, Sophia, naquela altura, era ela própria a imortal Menina do Mar... que depois veio a ser ao longo de toda a minha vida toda a sua obra e ela sempre imortal... tão imortal que há bem pouco tempo partilhei o meu primeiro livro de Sophia com o meu filho de 6 anos... e a magia permanece imortal.
Sónia Crujo
Évora

Obrigada, Sophia! (2004-07-09 15:38:59.0)
Não há palavras para descrever a obra desta grande escritora! Infelizmente, o meu grande sonho de vir a conhecê-la não se realizou, por isso não posso falar dela a nível pessoal. No entanto, tenho a certeza que era uma grande senhora, pois só uma pessoa de sentimentos nobres poderia deixar um obra tão marcante. Ela marcou a minha vida de estudante. O meu primeiro contacto com o seu trabalho foi na escola.Foi paixão à primeira leitura!Segui a área de literatura Portuguesa e, desde sempre, ela foi a minha escritora do coração! Eu digo sempre que foi por sua causa que entrei na universidade... sim, pois na prova de aferição(há uns anos atrás)saiu um poema de Sophia para analisar..e foi o exame que realizei com maior prazer em toda a minha vida académica! Graças a essa boa nota sou hoje professora. Agora sou eu que quero mostrar as maravilhosas palavras desta senhora aos meus alunos! OBRIGADA SOPHIA!
Alexandra
Maia

Num mundo de cores e sentimentos (2004-07-08 17:15:42.0)
Em cada palavra nasce um sentimento, uma cor pintada pelos lábios do leitor. Nada será mais entusiasmante que ler, reler ou encontrar novos sentidos nas palavras oferecidas pela Sophia. Muitas "crianças" ensinaram outras tantas crianças a descobrir, a sentir e a apaixonarem-se pelos mundos abertos da autora dos meninos e das meninas. Personagens que vivem aventuras em lugares afectivos, povoados por brincadeiras e ensinamentos sobre as vidas que habitam o "eu" de cada ser. Obrigado pela eterna disponibilidade, agradecido pelo conforto de estar sempre connosco.
João Pedro Caravaca
Bragança

Sophia é de todos nós (2004-07-08 15:46:30.0)
Há mais de 30 anos que a Sophia entrou na minha vida. Como professora sei a conhecer a sua obra a muitas centenas de alunos e todos a adoravam, mesmo os que liam com dificuldade e por isso pediam: "LEI-A A PROFESSORA". Também fiz chegar alguma s das suas obras a oublicos adultos. Este ano, já no mês de Junho, foi lida nas turmas do 6.º ano que lecciono uma obra de outra autora, obra essa que os alunos também apreciaram muito. Quando por acaso abri um dos livros (que pertencem à escola) encontrei no final esta nota anónima: "ESTE LIVRO DEVIA TER SIDO ESCRITO PELA SOPHIA de MELLO BREYNER" Que melhor elogio se lhe poderá fazer?
M: Lucília Costa
Vila Nova de Gaia

A magia de Sophia (2004-07-07 23:57:59.0)
Tinha já 25 anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca da brilhante escritora portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen, e ainda bem que o fiz nessa idade; não é todos os dias que um mundo que não é o meu me consegue transpostar até à infância - ao momento de encantar, de viajar por entre sonhos deliciosos. Acho que foi a paixão que senti pelo conto - memorável - que fez com que tivesse conseguido transpostar os meus alunos também até ao infinito, despertando-lhes a curiosidade por cada palavra, por cada momento.Hei-de fazer-me acompanhar d' O cavaleiro da Dinamarca até ao dia em que parar de sonhar...
susana silva
sines

Sophia (2004-07-07 22:59:44.0)
Colegas, A Sophia viverá para sempre nos seus poemas e contos. Enquanto professora, sempre dei realce à sua obra tendo até, em 1996, feito uma adaptação da Menina do Mar para marionetas, toda em rima, que os meus alunos da Escola C+S de Santana, muito bem interpretaram. Além da apresentação na Escola, também a Câmara de Sesimbra proporcionou à comunidade outras apresentações dessas marionetas, no belo espaço do Forte, com o magnífico oceano como cenário de fundo. Foi uma experiência muito gratificante. Para deixar aqui, escolhi o poema ESPERA " Dei-te a solidão do dia inteiro. Na praia deserta, brincando com a areia No silêncio que apenas quebrava a maré cheia A gritar o seu eterno insulto Longamente esperei que o teu vulto Rompesse o nevoeiro." in MAR, 2001 As minhas saudações e boas férias. Mª Elisa P. Santos
Mª Elisa P. Santos
Almada